DERMATITE DE CONTATO


 

Definição

A Dermatite de Contato (dermatitis venenatal)  é uma afecção inflamatória comum, geralmente eczematosa, causada por uma reação cutânea, devido ao contato com uma variedade de substâncias irritantes ou alergênicas. As agressões químicas e físicas repetidas lesam a epiderme. Na maioria dos casos, as alterações limitam-se à região da pele onde se deu o contato com a substância que provoca a reação.  Algumas vezes, no entanto, o alérgeno é absorvido através de uma lesão, dissemina-se pela circulação do sangue e provoca o aparecimento de lesões  em outras partes do corpo que, aparentemente, não tinham qualquer relacionamento com o foco de origem.

 

Causas

·         Urtiga.

·         Cosméticos.

·         Sabões, detergentes e produtos de limpeza.

·         Produtos químicos.

·         Tintura de cabelo, níquel, borracha e substâncias químicas.

 

Classificação

·         Dermatite de contato irritante:  é uma reação não alérgica causada pela exposição a uma substância irritante. Mecanismo não imunológico.

·         Dermatite de contato alérgica: resulta da exposição de indivíduos sensibilizados a alérgenos de contato. Mecanismo imunológico.

 

Fatores predisponentes

São fatores ambientais, físicos e químicos que podem desencadear a doença.

·         Calor e frio extremo.

·         Imersão freqüente em água e sabão.

·         Doença cutânea preexistente.

·         Substâncias químicas.

·         Sabonetes e xampus utilizados diariamente.

 

Agentes suspeitos e localização

·         Couro cabeludo: xampus, tinturas, 

·         Axilas:  desodorantes, alguns tipos de tecidos, produtos para limpeza das roupas.

·         Mãos:  luvas plásticas.

·         Pescoço e lóbulos das orelhas: perfumes, brincos e colares.

·         Rosto:  cosméticos, inalantes, loção de limpeza.óleo de bronzear.

·         Tronco:  alergias a roupas sintéticas ou tingidas, amaciantes, sabão de roupa.

 

Sinais e sintomas

 

Período prodrômico:  Geralmente as erupções cutâneas têm início no ponto de contato com o agente causador, podendo aparecer os seguintes sintomas.

·         vermelhidão  e calor no local da lesão;

·         prurido no local de contato seguido de queimação, eritema, vesiculação e eczema;

·         edema;

·         transudação, formação de crosta, ressecamento, fissuramento e queda de cabelo;

·         espessamento da pele e alterações de pigmentação, se ocorrem reações repetidas ou se o paciente coça-se continuamente.

 

Casos graves: Quando a doença está disseminada na pele pode ocorrer os  seguintes sintomas:

·         febre;

·         aumento dos gânglios;

·         prostração;

·         irritabilidade;

·         mal-estar generalizado.

 

Diagnóstico

 

·         Anamnese detalhada para se saber qual o produto ou fator desencadeante da dermatite.

·         Exame físico.

·         Exame clínico.

·         Exame dermatológico.

·         Exames laboratoriais.

·         Testes alérgicos.

·         Testes de contato (patch test): esses testes servem para diferenciar também a dermatite de contato alérgica da dermatite de contato irritativa.

 

Obs: O corpo do paciente deve ser todo inspecionado pelo médico dermatologista, em busca de um padrão de distribuição, isto ajuda também a diferenciar a dermatite de contato alérgica da dermatite tipo irritante.

 

Tratamento

 

É fundamental que seja identificada  e removida a substância causal.

·         Aplicar curativos úmidos, frios, nas pequenas áreas de dermatite vesicular aguda, para amaciar a pele e ajudar a interromper a transudação.

·         Aplicar uma fina camada de creme ou pomada, prescrita pelo médico,  caso haja a necessidade.

·         Deve-se retirar as crostas amolecidas e outros restos.

·         Analgésicos, antipruriginosos  e anti-histamínicos,  devem ser administrados conforme indicação médica.

·         Antibióticos sistêmicos, podem ser necessários, se houver infecção bacteriana secundária, exsudato purulento e sintomas sistêmicos.

·         Tranqüilizantes ou drogas sedativas, podem ser administradas, caso a lesão seja extensa e traga um desconforto muito grande ao paciente.

·         Balneoterapia: deve ser tomados banhos frios ou a uma temperatura que agrade ao paciente,  para aplicar medicamentos  em áreas maiores de dermatose; os banhos são úteis também para remover crostas, escamas e medicamentos anteriores, e para aliviar a inflamação e o prurido.

·         Tratar o ressecamento (xerose) com cremes ou loções lubrificantes, aplicados após o banho e antes de enxugar, para aumentar a hidratação.

·         Deve ser reduzido o excesso de roupas de cama ou pessoais.

·         Repouso moderado no leito e imobilidade, deve ser indicado para reduzir os estímulos dolorosos e o prurido.

·         Os pacientes com problemas dermatológicos podem ver e sentir seus problemas, e estes os afetam mais do que a muitos portadores de outras patologias, por isso o apoio psicológico por parte da equipe de enfermagem é fundamental para esses pacientes.

 

Apoio psicológico: Os pacientes com problemas dermatológicos podem ver e sentir seus problemas, e estes os afetam mais do que a muitos portadores de outras patologias, por isso o apoio psicológico por parte da equipe de enfermagem é fundamental para esses pacientes.

 

Obs:  O paciente deve ser orientado para evitar a auto-medicação com pomadas ou loções aconselhadas comercialmente ou por terceiros.

 

Complicações

·         Infecção bacteriana secundária.

 

Cuidados gerais

·         Evitar o calor, sabões e o ato de se coçar, estes são irritantes externos.

·         Evitar o uso de sabão até que ocorra a cicatrização total da pele.

·         Evitar expor a pele ao agente causador após a cicatrização.

·         Usar luvas ou roupas protetoras.

·         Evitar medicamentos tópicos, exceto quando especificamente prescritos.

·         Lavar-se completamente imediatamente após a exposição a antígenos.

·         Não tocar as áreas do corpo não comprometidas com as partes afetadas.

·         Quando ocorrer a dermatite de contato o paciente deve se dirigir ao dermatologista, porque este é o profissional qualificado na área médica para acompanhá-lo.

·         Nunca passe nas lesões álcool, éter, álcool canforado, talcos perfumados, óleo de cozinha, loções de óleo de bebês e azeite doce, todos esse produtos podem irritar mais ainda a pele, e provocar infecções ou reações inflamatórias.

 

 


Dúvidas de termos técnicos e expressões, consulte o Glossário geral.