DIABETES INSÍPIDUS


 

Definição

O Diabetes Insípido é um distúrbio endócrino pouco freqüente que aparece devido a um déficit de hormônios antidiuréticos, segregados pelo lóbulo posterior da hipófise. Caracteriza-se pela eliminação de quantidades excessivas de urina (poliúria) e por uma sede exagerada (polidpsia) provocada pela desidratação. Desta maneira estabelece-se no doente um círculo vicioso: quanto mais água bebe, mais urina emite e aumenta  a sua sede. A doença pode apresentar-se de forma brusca e em qualquer idade, persistindo a poliúria e  a sede, durante o dia e a noite.  

As funções do hormônio antidiurético (ADH) incluem a promoção da reabsorção da água pelos túbulos renais e a regulação da pressão osmótica do líquido extracelular. Quando  o ADH se torna deficiente, grande quantidade de líquido perde-se através dos rins e o organismo torna-se desidratado.

 

Causas

Normalmente, deve-se a uma falha geral na produção de todos os hormônios hipofisários (diabetes insípido hipofisário):

·         destruição hemorrágica da hipófise (ex: parto traumático);

·         tumores cerebrais que destroem a neuro-hipófise, especialmente os tumores craniofaringiomas;

·         traumatismo craniano;

·         infecção - incluindo encefalite, meningite, várias doenças contagiosas, e vacinação;

·         causa desconhecida.

 

Resposta inadequada dos túbulos renais à vasopressina (diabetes insípido nefrogênico).

·         doença  hereditária (dominante);

·         mais comum em indivíduos do sexo masculino;

·         alteração nos receptores dos túbulos renais.

 

Fisiologia da glândula hipófise

A Hipófise é uma glândula com tamanho e forma aproximados de grão-de-bico, que se assenta em um arcabouço ósseo, chamado sela turca, situado no interior do crânio. A glândula acha-se protegida por dois anteparos (na frente e atrás) e por parte da dura-máter (em cima), que é uma das três camadas de proteção do encéfalo (meninges). A hipófise divide-se perfeitamente em duas partes: a adenoipófise ou hipófise anterior, de tecido glandular,  e por isso, capaz de secretar hormônios; e a neuroipófise, constituída de tecido nervoso, com a função de armazenar os hormônios produzidos pelo hipotálamo (vasopressina e ocitocina).  

Os hormônios hipofisários podem ser considerados como elementos de contato da hipófise com as glândulas secundárias. São identificados pela sigla de seus nomes em inglês: STH (Somato-Trophic-Hormone), hormônio somatotrófico, responsável pelo crescimento corporal; LTH (Luteo-Trophic-Hormone), hormônio luteotrófico, também chamado prolactina, que age sobre o ovário e estimula a produção de leite na mulher;  ACTH (Adreno-Cortico-Trophic-Hormone), hormônio adrenocorticotrófico, que age sobre  a supra-renal; FSH (Follicle-Stimulating-Hormone), estimulante do ovário no desenvolvimento dos folículos, estruturas que contêm os óvulos em seu interior; LH (Luteinizing-Hormone) ou ISCH (Intersticial-Cell-Stimulating-Hormone), hormônio luteinizante ou estimulante das células intersticiais, que ativa as glândulas sexuais femininas e masculinas. Os hormônios sexuais (FSH, LH e LTH) denominam-se gonadotróficos por agirem nas gônadas (glândulas sexuais). A parte nervosa da hipófise é regulada por impulsos nervosos recebidos do hipotálamo. Se esses impulsos cessam, surge a insuficiência hipotálamo-hipofisária que por sua vez, resulta no Diabete insípido, devido à falta de vasopressina.

 

Classificação

O Diabetes insípido pode ser classificado em:

·         Diabetes Insípido Hipofisário:  distúrbio causado pela deficiência de vasopressina, hormônio antidiurético (ADH)  secretado pelo lobo posterior da glândula hipófise.

·         Diabetes Insípido Nefrogênico: distúrbio hereditário renal, no qual os túbulos renais são incapazes de reabsorver água.

 

Alterações fisiológicas

Diabetes Insípido Hipofisário:

·         A vasopressina normalmente atua sobre os túbulos distais e os canais coletores dos rins, facilitando a reabsorção da água.

·         Patologia da hipófise ou do hipotálamo causa uma deficiência de vasopressina.

·         O rim é incapaz de produzir urina concentrada sem a quantidade suficiente de vasopressina.

 

Diabetes Insípido Nefrogênico:  

É um distúrbio hereditário, no qual os túbulos renais são incapazes de reabsorver água, o que produz um excessivo volume  de urina e perda de líquidos:

·         a secreção de vasopressina é normal; 

·         os túbulos renais não reagem à vasopressina; 

·         o rim não é incapaz  de produzir urina concentrada.

 

Sinais e sintomas

As manifestações clínicas dependem da idade do paciente e a causa da lesão primária. Geralmente os sintomas são os seguintes:

 

Período prodrômico:

·         polidipsia (sede exagerada);

·         poliúria (eliminação excessiva de urina), o paciente pode urinar mais de 10 litros de urina por dia;

·         o rim não concentra a urina.

 

Sintomas em crianças com menos de um ano:

·         choro excessivo (que se acalma com água e não com leite);

·         hipertermia;

·         vômitos;

·         constipação;

·         perda rápida de peso;

·         sinais de desidratação;

·         deficiência no crescimento.

 

Sintomas em crianças acima de um ano:

·         a sede excessiva pode interferir no sono e na diversão (a criança acorda para beber água, e durante o dia sempre está com sede);

·         enurese (urina várias vezes à noite);

·         anorexia (não tem fome);

·         a pele é pálida e seca;

·         redução da transpiração;

·         saliva viscosa.

 

Diagnóstico

·         Anamnese.

·         Quadro clínico.

·         Exame físico.

·         Exame clínico.

·         Exames laboratoriais.

·         Teste de privação de água.

·         Teste salino hipertônico.

·         Teste de sensibilidade à vasopressina: consiste na administração de hormônio antidiurético  provocando redução no fluxo urinário e aumento da concentração da urina.

 

Diagnóstico diferencial

A doença pode ser confundida inicialmente com o seguinte distúrbio:

·         Pontomania ou Polidipsia psicogênica.

 

Tratamento

Médico especialista: Endocrinologista. Dependendo da evolução da doença e do acometimento de outros órgãos, outros especialistas podem ser indicados para o tratamento.

 

Objetivo:  Evitar a desidratação e restaurar o equilíbrio eletrolítico.

·         Administração de antidiuréticos para tentar quebrar o círculo vicioso podipsia-poliúria. Importante, sempre deve-se checar a via de administração do medicamento.

·         A administração de hormônios antidiuréticos só se aplica em casos de gravidade extrema.

·         Ficar atento para que o paciente não tome líquidos durante os períodos de privação de água.

·         Coletar as amostras de urina conforme a indicação médica.

·         Ficar atento  para detectar sinais de distúrbios hidroeletrolíticos durante o período de exames.

·         Pode ocorrer desidratação e choque durante o teste de privação de água.

·         Ficar atento quando for realizado o teste salino hipertônico, pois em alguns casos pode ocorrer desidratação hipertônica.

·         Ficar atento durante o teste de sensibilidade à vasopressina, pois pode ocorrer super-hidratação em alguns pacientes com polidipsia psicogênica primária.

·         Ficar atento a ingestão de líquidos nestes pacientes.

 

Dietoterapia:

·         Não há dietas especiais indicadas no tratamento dessa patologia. 

·         A suplementação de potássio pode ser indicada, especialmente para pacientes que estão tomando diuréticos com benzotiadizina.

·         Advertir os pacientes para não limitarem a ingesta de líquidos numa tentativa de reduzir a produção urinária.

·         Pacientes que aumentam sua ingesta de líquidos para compensar a produção urinária devem ser ajudados na escolha de bebidas de baixo valor calórico. O conteúdo calórico do volume aumentado de líquidos pode levar à obesidade.

 

Obs:  O Diabetes insípido nefrogênico não responde ao tanato de vasopressina; entretanto os diuréticos de tiazida são tão efetivos como no Diabetes insípido hipofisário.

 

Complicações

·         Choque hipovolêmico.

 

Seqüelas

·         Alterações  renais.

·         Obesidade.

 


Dúvidas de termos técnicos e expressões, consulte o Glossário geral.