SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE

(PNEUMONIA ASIÁTICA)


Introdução

A Síndrome Respiratória Aguda Grave - SARS em inglês ou Pneumonia Asiática é uma forma grave de pneumonia, que ataca gravemente os pulmões, com uma evolução rápida, e que tem o poder de contágio muito rápido.   O número de pessoas contaminadas pelo vírus continua aumentando rapidamente, e muito mais perigoso, é que está ocorrendo em várias cidades do mundo distantes uma das outras. Provavelmente, o vírus está sendo propagado pelas pessoas que usam o avião, como meio de transporte.  A Síndrome Respiratória Aguda Grave leva a óbito 10% de suas vítimas, contra uma mortalidade de menos de 1% da Pneumonia bacteriana comum.

Histórico

A Síndrome Respiratória Aguda Grave surgiu na Ásia, provavelmente na província de Guangdong, na China, em novembro de 2002. Mas o governo chinês não informou a OMS - Organização Mundial de Saúde, e tentou deter o avanço da doença sozinho, sem solicitar ajuda médica e sanitária internacional. Algumas autoridades médicas e sanitárias afirmam que o procedimento que adotou a China, de não informar a propagação da doença no seu país, ajudou  o alastramento da Pneumonia Asiática internacionalmente. 

O médico italiano Carlo Urbani, especialista em enfermidades infecciosas e parasitárias,  foi o primeiro médico a identificar a doença, em Hanói, no Vietnã. Ele identificou a Síndrome Respiratória num empresário americano internado naquela cidade. Graças a sua descoberta e dedicação, ele colheu provas e reforçou os procedimentos de controle da infecção. A partir do trabalho iniciado pelo médico Urbani, autoridades sanitárias criaram uma barreira  global, para tentar reduzir a propagação da doença, isolando novos casos antes que infectassem outras pessoas. O médico Carlo Urbani morreu  no dia 29 de março de 2003, vítima da própria doença que ele descobriu.

Sinonímia

É uma doença que também é conhecida pelos seguintes nomes: 

·        Pneumonia Asiática.

·        Pneumonia Atípica.

·        Síndrome Respiratória Aguda Severa.

·        Superpneumonia.

Agente etiológico

O vírus causador da doença já foi isolado, suspeitando-se da probabilidade  de uma mutação e manipulação do vírus pelo homem:

·        Vírus da família Coronavirus foi isolado por uma equipe do CDC - Centro de Controle e Prevenção de doenças, dos Estados Unidos. Atualmente, são conhecidas três variedades de Coronavírus. A equipe do CDC suspeita ter encontrado uma quarta variedade. 

Fisiopatologia

Quando o vírus da Pneumonia Asiática penetra no organismo provoca uma inflamação no tecido que recobre os brônquios na base dos pulmões. O  paciente começa a ter uma tosse seca e uma crescente dificuldade de respirar. O pulmão se enche  de líquidos. O pulmão inflamado e cheio de líquido enrijece e entra em colapso. O paciente  necessita de respirador,  para poder respirar, já que os pulmões estão impossibilitados de realizar todo o processo da respiração.  A doença também atinge a medula e reduz a produção de glóbulos brancos e plaquetas no sangue. A morte ocorre por insuficiência respiratória aguda.

Causa

A causa da doença ainda é desconhecida.

Período de incubação

Provavelmente de 3  a 11 dias, a média fica em seis dias.

Período de transmissibilidade

Ainda não foi comprovado, mas suspeita-se que dure todo o ciclo da doença, devido à replicação rápida do vírus no organismo.

Transmissão

·        Transmissão direta através das secreções respiratórias (tosse, escarro, saliva), contaminadas.

·        A transmissão também ocorre por contato próximo do portador da doença.

·        Suspeita-se que pode ocorrer a transmissão por contato direto com as mãos do doente infectado.

·        Ainda não foi comprovado, mas os médicos  e sanitaristas suspeitam que o vírus poderia sobreviver por algum tempo em suspensão, e alojar-se em pessoas que passam  por ambientes infectados.

·        Os riscos de uma transmissão da doença durante uma viagem aérea parece estar restrito às pessoas sentadas muito próximas do portador.

·        Ainda está sendo investigado se os fluídos corporais do doente podem transmitir a doença.

Obs:  Ainda não se sabe  com precisão, todas as formas de transmissão da doença.

Sintomas

Os sintomas da Pneumonia Asiática são  parecidos com as manifestações clínicas da pneumonia bacteriana. Os principais sintomas da doença são os seguintes:

período prodrômico: nesse período geralmente os pacientes se queixam dos seguintes sintomas:

·        febre súbita acima de 38 graus; 

·        calafrios;

·        mialgias (dores musculares);

·        enrijecimento dos músculos;

·        tosse seca; 

·        fadiga;

·        o paciente se queixa de falta de ar;

·        dificuldade de respirar;

·        inapetência (perda de apetite);

·        diarréia, em alguns casos pode acontecer;

·        distúrbios gastrintestinais podem ocorrer em alguns casos;

·        mal-estar geral.

período agudo: nessa fase da doença o paciente deve ser assistido em uma UTI, onde serão implementadas todas as medidas de suporte de vida.

·        febre alta e persistente;

·        dispnéia, o paciente começa a desenvolver uma dificuldade de respirar, que vai se acentuando cada vez mais;

·        o paciente se queixa de dor torácica ao respirar;

·        inflamação pulmonar generalizada,  causando também dificuldade de oxigenação do sangue;

·        alteração da consciência;

·        devido aos problemas pulmonares o paciente pode desenvolver alterações no ritmo cardíaco.

Obs: Cientistas descobriram que na primeira semana da doença, o vírus se replica basicamente no trato respiratório superior, causando febre alta e tosse seca. Mas na segunda semana, se nota uma reação exacerbada do sistema imunológico, o que, em 20% dos casos, leva  a  um desenvolvimento mais agressivo da doença.

Diagnóstico

·        Anamnese (procurar identificar se o paciente esteve recentemente em algum país que está na lista de países com a doença, ou se teve contato com pessoas oriundas destes países).

·        Exame físico.

·        Exame clínico.

·        Exames laboratoriais.

·        Testes bacteriológicos.

·        Testes virológicos.

·        Raios X: mostram claramente o comprometimento bilateral dos pulmões.

·        Análise do LCR (líquido cefalorraquidiano).

·        Novo teste para detecção do vírus da doença, já está sendo usado na Itália. Esse teste detecta o vírus em 24 horas.

Obs: Os médicos ainda não têm estudos conclusivos sobre as causas da Pneumonia Asiática, e por isso têm dificuldades para obter um diagnóstico conclusivo e positivo que afirme que o paciente está com a doença. Ao receberem um caso suspeito da Pneumonia Asiática, a primeira providência dos médicos é excluir a possibilidade de se tratar de pneumonia bacteriana. O diagnóstico da Pneumonia Asiática atualmente ainda é feito por exclusão de outras doenças.

Tratamento

Específico: não existe atualmente nenhum tratamento específico para o combate da doença.

Sintomático: o tratamento é sintomático conforme os sintomas apresentados, e suas intercorrências.

·        Medidas de suporte geral.

·        Antibiocoterapia potente prescrita; a maioria dos casos comprovados da doença, não reagem  a tratamento  por antibióticos clássicos. 

·        Oxigenoterapia prescrita, caso seja necessário.

·        Antitérmicos e analgésicos  prescritos, quando o quadro clínico indicar.

·        Controle dos distúrbios hidroeletrolíticos.

·        Hidratação venosa.

·        O quarto com pressão negativa deve ser utilizado por paciente com forte suspeita da doença, para evitar a propagação da doença no hospital, já que se especula que o vírus pode sobreviver por algum tempo em suspensão, e alojar-se em pessoas que passam por ambientes infectados.

·        Caso o paciente tenha que ser transferido para UTI, deve-se tomar todas as medidas necessárias, para que não ocorra a propagação da doença durante o transporte do paciente.

Prevenção

·        Evitar se possível viajar para as regiões atingidas pela doença.

·        Evitar contatos com pessoas que chegaram dessas regiões nas últimas duas semanas.

·        Cuidados básicos de higiene, principalmente a lavagem das mãos algumas vezes por dia, podem ajudar a prevenir o contágio.

·        O uso de máscaras cirúrgicas deve ser utilizado, quando a pessoa estiver em região comprovadamente atingida pela Pneumonia asiática.

·        Pessoal de aeroportos internacionais  que recebem passageiros de países atingidos, que trabalham diretamente com os passageiros devem utilizar máscaras de proteção.

·        Pessoas que vieram de países e regiões atingidas pela doença, que manifestarem sintomas da doença, principalmente tosse seca, dor muscular e dificuldade crescente de respirar, devem procurar atendimento médico imediato, e informar  ao pessoal de saúde que vai dar assistência, o seu histórico de viagem recente para zonas atingidas pela doença, para que o pessoal  de enfermagem e médico, possam implementar as medidas necessária para a não propagação da doença suspeita, no ambiente hospitalar. 


Dúvidas de termos técnicos e expressões consulte o Glossário geral.