ECSTASY


Definição

O Ecstasy é uma droga sintética, derivada da anfetamina, fabricada em laboratório.  A pílula ou comprimido garante cerca de seis horas ou mais de embalo sem parar. O Ecstasy  é muito utilizado em festas de musica eletrônica com o som muito alto e com muitas luzes piscantes. Os jovens que usam o Ecstasy adoram esse ambiente meio psicodélico e de eterna agitação.  As pílulas de Ecstasy  são comercializadas em diversos tamanhos, desenhos, tipos e cores. São identificadas por símbolos como sorriso, lua, sol, olho e marcas famosas, e são vendidas diretamente ao usuário nas danceterias, boates e raves. Nesses locais não existe um atravessador no negócio, o fornecedor vende a droga para o usuário, que paga na hora, para consumo imediato. A droga age sobre a química cerebral, e seus efeitos atingem o ápice duas horas depois de ingerida.  Internamente, ela permite que o cérebro fique encharcado de serotonina, a substância responsável pela sensação de prazer e bem-estar.  O Ecstasy é uma droga que pode combinar os efeitos da maconha (aumento da sensibilidade sensorial e auditiva), os da anfetamina (excitação e agitação) e ainda com os do álcool (desinibição e sociabilidade). Além de tudo isso, pode causar no usuário uma vontade quase incontrolável de contato físico e sexual. Apesar de ter um  poder viciante menor que drogas como o crack, a heroína e a cocaína, o Ecstasy também causa algum tipo de dependência e traz inúmeros riscos à saúde do usuário.

 

Sinonímia

O Ecstasy também é conhecido pelos seguintes nomes:

·         Adam.

·         Bala (inteira) ou balinha (1/4).

·         Droga de desenho.

·         Droga de recreio.

·         "E".

·         Love drug

·         Pastilha.

·         Pílula do amor.

·         XTC.

Incidência

·         O Ecstasy é a droga sintética mais consumida em danceterias, clubes noturnos e "raves".

·         O Ecstasy está sendo muito difundido como uma droga de "recreação" e comercializado entre jovens do ensino médio da classe média alta.

·         Ecstasy está crescendo em termos geográficos, etários e de renda.

·         A faixa de idade dos consumidores de Ecstasy  é considerada a mais baixa que a dos viciados em outras substâncias.

 

Derivados de anfetaminas

No quadro abaixo, encontram-se os  derivados de anfetaminas e alguns agentes alucinógenos, mais utilizados em danceterias, boates, raves e festas embaladas a música eletrônica.

 

 

NOME POPULAR

NOME DO AGENTE

Ecstasy

MDMA (3,4-metilenodioximetanfetamina

Ecstasy líquido

GHB (gama-hidroxibutirato)

Rohypnol

Flunitrazepan

Ketalar, Special K

Cetamina

Ice, Cristal

Metanfetamina

Poppers Rush

Nitrato de amil

Cápsula do vento

2,5 dimetoxi-4-bromoanfetamina

PCP

Cloridrato de fenciclidina

LSD

Dietilamida do Ácido lisérgico

 

Formas de consumo

A via mais comum de consumo da droga é a oral, em forma de comprimidos, pastilhas, barras ou cápsulas de pó.  Pode ser usado também por via intra-nasal, em forma de pó, mas esse método de consumo não é muito comum.  As pílulas podem ter diversos tipos de desenhos, tamanhos e cores,  com a intenção de tornar a droga mais atraente ao consumidor.

 

As doses variam de fornecedor para fornecedor, podendo se encontrar no mercado ilegal de pílulas de  50 a 150mg em dose única. Muitos traficantes e fornecedores podem vender os comprimidos de Ecstasy puros ou com várias outras substâncias, como metilenodioxianfetamina (metabólito tóxico do MDMA), cafeína, LSD, atropina, paracetamol, efedrina, difenidramina, misturas de anfetaminas e metanfetamina.

 

Muitos usuários para intensificar os efeitos prazerosos da droga, consomem o Ecstasy junto com outras drogas: maconha, tabaco, ácido lisérgico (LSD), álcool e a cocaína. As misturas dessas drogas com o Ecstasy interferem tanto nos  efeitos imediatos como nos riscos a curto e a longo prazo, e também podem influenciar o organismo do usuário, tanto no que se refere a tolerância como a dependência da droga.

Motivos que podem levar ao uso do Ecstasy

§  Desejo de "apenas" experimentar.

§  O mito da "droga inofensiva".

§  Acompanhar os amigos.

§  Entrar no grupo.

§  Aproveitar mais a festa.

§  Ter a sensação de liberdade.

§  Ser mais comunicativo.

§  Evitar o cansaço e o sono em festas longas.

§  Provar  que é independente.

§  Relaxar.

§  Conseguir mais prazer sexual.

§  Participar de orgias sexuais.

§  Satisfazer a curiosidade.

§  Acabar com a depressão.

Sinais de alerta

Os sinais de alerta de que uma pessoa pode está usando o Ecstasy principalmente em festas  com música eletrônica, são os seguintes:

·         Sempre está com  uma garrafa de água ou isotônica na mão, por causa da boca seca e para matar a sede que a droga causa.

·         Usa óculos escuros, porque os olhos ficam sensíveis à luz.

·         As pupilas ficam visivelmente mais dilatadas.

·         Fala e gesticula muito.

·         Usa VickVaporub nas narinas, na nuca e no peito para se refrescar.  O cheiro do Vick é inconfundível.

·         Transpira excessivamente, chegando ao ponto da roupa ficar encharcada de suor.

·         Sempre está com um chiclete ou pirulito na boca para estimular a salivação e aliviar a tensão no maxilar.

·         Range muito os dentes.

·         Não para de dançar. Praticamente, dança até cair.

Efeitos do Ecstasy

Os efeitos do Ecstasy variam de pessoa para pessoa,  devido aos seguintes fatores:

·         Idade do usuário.

·         Quantidade de pastilhas ingeridas.

·         Freqüência e duração do uso.

 

Mas, os efeitos do Ecstasy dependem mesmo é da dosagem, isto é, da quantidade de pílulas que o usuário toma durante as festas. A grande maioria dos usuários do Ecstasy, sentem mais os efeitos positivos da droga, do que os negativos.  Os efeitos negativos, geralmente são mais sentidos, pelos que usam a droga em doses um pouco mais altas,  entre aqueles que  experimentam o Ecstasy pela primeira vez ou quando usam as pílulas em situações ocasionais. Após a sua ingestão, cerca de 10  a 20 minutos em média,  o usuário começa a sentir   a presença dos efeitos do Ecstasy,  que podem durar em média aproximadamente de 4 a 8 horas mas, tem usuários que sentem os efeitos por mais horas, enquanto em outros os efeitos terminam em menos horas. Essa média, referente aos efeitos do Ecstasy, pode variar muito.

A Dependência

Geralmente o Ecstasy não é uma droga que cause dependência química ou física. Quando ocorre essa dependência química e física, geralmente é devido  ao uso do Ecstasy associado a outras drogas, que provocam a dependência. O uso freqüente da pílula pode trazer uma dependência psicológica. Podem ocorrer pequenos surtos de quadros psicóticos, depressão pós-uso e algumas falhas de memórias. Alguns também experimentam alguma dificuldade de concentração, quando não fazem uso da droga. O Ecstasy pode não levar, pelo que se sabe até agora, a uma crise de abstinência se o usuário deixar de consumir os comprimidos. O maior perigo é o vício psicológico, que o leva a usar mais e mais a droga para aumentar a sensação de prazer. As drogas em geral, incluindo o Ecstasy,  desencadeiam inconscientemente a satisfação de uma forma tão intensa e plena, que é difícil de ser abandonada por quem as experimenta com freqüência. Por isso é tão difícil para alguns usuários largarem a droga.

A Overdose

A overdose por Ecstasy, ocorre quando o usuário ingere muitas pílulas durante as festas, ou quando toma várias pílulas de uma só vez.  A overdose dessa droga pode causar sérias complicações ao usuário, inclusive a morte. Após uma overdose por Ecstasy, o usuário deve ser levado imediatamente para tratamento de emergência, em um hospital. Os acompanhantes devem informar sobre o uso excessivo de Ecstasy, pela vítima.

 

Cuidado: A mistura de Ecstasy com álcool ou outras drogas, aumenta o risco de overdose, ferimentos, violência, abuso sexual e morte.

A Síndrome da abstinência

A síndrome de abstinência ocorre mais em relação à dependência psicológica da droga, do que a dependência química.  Os relatos de jovens que usam o Ecstasy com uma certa freqüência, contam que quando ficam sem tomar a droga durante algum tempo,  podem sentir alguns desses sintomas:

 

·         Dificuldade de dormir.

·         Dores de cabeças fortes.

·         Vertigens ou tonturas.

·         Insônia.

·         Tremores.

·         Agitação.

·         Depressão.

Causas de  morte dos usuários de Ecstasy: Diversas são as razões que podem levar à morte por superdosagem, entre elas destacam-se:

·         Arritmias cardíacas graves.

·         Hipertemia fulminante.

·         Desidratação grave.

·         Convulsões.

·         Coagulação Intravascular disseminada (CID).

·         Reações alérgicas sistêmicas.

·         Asma aguda.

·         Rabdomiólise.

·         Hepatotoxicidade.

·         Susceptibilidade individual às metilenodioxifenilalquilaminas.

·         Intoxicação hídrica.

Alterações do Ecstasy no corpo

·         Fígado: Causa mau funcionamento do fígado e excesso de bílis no sangue, o que deixa a pessoa amarelada.

·         Rins: Estimula um hormônio antidiurético chamado ADH. Apesar do aumento da sede, a pessoa pára de urinar e não consegue transpirar na mesma velocidade em que bebe água.

·         Cérebro: Depressão, ansiedade e síndrome do pânico por causa dos danos causados nas células nervosas. Se a pessoa  tiver predisposição para esses males, a ocorrência pode ser  em pouco tempo. A destruição  de neurônios também pode causar problemas de memória e atenção.

·         Boca: Enquanto a droga faz efeito, há um forte ranger de dentes. Em alguns casos, eles podem até quebrar. Se a pessoa usa freqüentemente a droga, pode desenvolver bruxismo, que é o ranger constante dos dentes. Os dentes podem ficar bastante desgastados.

·         Metabolismo: Ocorre um aumento excessivo da temperatura do corpo, o que destrói enzimas e prejudica o funcionamento de vários órgãos, podendo causar um colapso hemodinâmico.

·         Músculos:  A queda na concentração de sódio prejudica o funcionamento de músculos e neurônios. Isso ocorre porque, ao se transpirar em excesso e só beber água, a pessoa não repõe os sais perdidos no suor.

·         Coração: Aumento em até 40% dos batimentos cardíacos, o que pode desencadear problemas cardíacos.

Tratamento de emergência

O tratamento para intoxicação por MDMA ou Ecstasy deve ser rápido e eficiente, pois as complicações aumentam em número e gravidade, caso isso não ocorra.

Inclui medidas de suporte como a manutenção da permeabilidade das vias aéreas, assistência ventilatória, administração de oxigênio a 100%, manutenção do débito urinário e infusão de líquidos frios (vias gástrica, vesical e venosa) nos casos em que há hipertermia.

 

Atenção:  Quando for dado o socorro de emergência a uma pessoa com complicações causadas pelo Ecstasy, o usuário ou os acompanhantes devem informar o consumo do Ecstasy pelo paciente. Essa informação, não deve nunca ser ocultada  dos médicos da Emergência, principalmente quando o quadro requer uma intervenção cirúrgica de emergência e o paciente necessite de uma anestesia.  Durante a cirurgia, o paciente ainda está sob os efeitos do Ecstasy, o qual poderá causar eventuais complicações durante o ato anestésico,  como na própria intervenção cirúrgica.

 

No caso de cirurgias eletivas (cirurgias marcadas), o usuário de Ecstasy, deve informar a sua condição ao anestesista, durante a consulta pré-anestésica e ao cirurgião.

Ecstasy e os Distúrbios psiquiátricos

Freqüentes observações de que apenas alguns indivíduos desenvolvem distúrbios neuropsiquiátricos devido ao abuso da MDMA, sugerem que possam existir certos fatores psiquiátricos que predisponham tais indivíduos a se tornarem mais vulneráveis a esses distúrbios indesejáveis.

Tipos de viciados

Esses grupos podem se enquadrar em qualquer tipo de droga.

·         Ocasionais: são aqueles que provam uma determinada droga, movidos pela curiosidade ou por alguma pressão no momento, e não mais voltam a usá-la. Nesses casos, não ocorre dependência física ou psicológica e não apresentam nenhum tipo de  transtorno se não usarem mais a droga. Também são chamados de experimentadores.

·         Moderados: São aqueles que já apresentam uma certa dependência psíquica,  e um certo impulso que faz com que eles procuram  mais droga. Dependendo do tipo de droga e do tempo de utilização, estes usuários podem já apresentar algumas alterações leves de comportamento nas áreas afetivas, profissional e familiar.

·         Habituais: Apresentam dependência psíquica acentuada, pois mudam seus hábitos para procurarem fornecedores de drogas (amigos ou traficantes), apresentando modificações evidentes no comportamento habitual, mudanças de humor, criam atritos familiares, trocam o dia pela noite, têm dificuldades em estabelecer ligações íntimas com as pessoas. Têm dificuldades na área profissional.

·         Dependentes químicos: são aqueles que dependem da droga para sobreviver. Fazem da droga seu único objetivo de vida. Não há outro interesse por nenhuma atividade. Nesses casos, as alterações físicas, mentais, e psicológicas são evidentes. O dependente químico é chamado também de toxicômano.

Dicas para evitar bebidas "batizadas"

·         Jamais tome bebidas, oferecida por desconhecidos. Mesmo que seja um simples copo de refrigerante ou suco.

·         Não beba resto de bebida de outra pessoa em festas ou eventos, mesmo que ela tome um pouco e ofereça a você o resto.  Muitos casos de ingestão de bebidas "batizadas" ocorrem dessa forma, a pessoa finge que está tomando a bebida e oferece à sua vítima.

·         Vigie constantemente seu copo de bebida nas festas, e fique com ele sempre na mão.

·         Observe atentamente a bebida sendo preparada.

·         Não peça aos outros para trazerem uma bebida para você.

·         Nunca peça para que guardem a sua bebida enquanto vai dançar. Termine a bebida antes ou despreze-a.

·         Não tome remédio ou comprimidos oferecidos por outras pessoas ou "amigos" para dor de cabeça, enxaqueca ou ressaca, em festas. Muitos desses remédios podem estar já  "batizados" isto é, preparados com a droga.  Caso você tenha dor de cabeça ou ressaca, leve sempre os seus comprimidos.

Prevenção

·         Através de campanhas que alertem a população, sobre os perigos da droga, principalmente direcionada aos adolescentes.

·         Controle mais rígido por parte das autoridades, direcionado à venda dos produtos químicos utilizados na produção da droga.

·         Vigilância mais atuante nas fronteiras do país, por parte das autoridades civis e militares para evitar a entrada da droga no país.

·         Diálogos com as crianças, os adolescentes, jovens e os adultos sobre os perigos da droga para ele, a família e a sociedade.

·         Palestras, seminários e apresentações nas escolas e universidades públicas e privadas sobre os perigos das drogas.

 

 

Atenção:

As primeiras doses de qualquer droga, geralmente são  oferecidas de graça ou com o intuito de que você deve experimentar antes, para depois dizer, se foi bom ou ruim. Muitos argumentam que só uma dose ou um comprimido, não vai viciar e nem trazer nenhum risco, só  "prazeres".  O fornecimento da primeira dose  ou pílula, quase sempre é através de pessoas conhecidas ou que você considera amigos. Tome muito cuidado com aqueles que chama de "amigos", e que oferecem drogas pra você experimentar, eles podem levá-lo para um lugar que mais tarde vai ser difícil de deixar: O Mundo das Drogas.


Dúvidas de termos técnicos  e expressões, consulte o glossário específico de Doenças Neurológicas ou o glossário geral.